Lista: 14 livros de serial killers ou psicopatas que você vai amar


Como vocês sabem, pesquiso serial killers de maneira informal desde 2003. Já são quase 20 anos lendo tudo o que pude sobre eles, fazendo cursos e escrevendo livros, além de ter criado o Serial Chicks, canal do YouTube onde analisei em três temporadas, com a psicanalista Paula Febbe, a vida e os crimes de dezenas de assassinos em série. É justamente por isso que muita gente pede indicações de livros sobre o assunto, e o motivo deste post.


Para esta lista, dividi os livros em dois tipos; não-ficção e ficção. Os livros de ficção são histórias de suspense, thrillers ou crimes que envolvem serial killers. Já as indicações de não-ficção são aqueles livros didáticos ou baseados em casos e pessoas reais. Depois de muitos livros lidos, foi difícil chegar num número legal para o post, mas optei por 7 livros de cada tipo.


Obs: alguns dos livros de ficção não são sobre serial killers, e sim sobre psicopatas. Para entender a diferença, leia este post.


Vamos lá:


Não-ficção (true crime)


Serial Killer, Louco ou Cruel (Ilana Casoy): o livro da Ilana, em sua primeira edição, foi o meu primeiro contato com serial killers. Ela não nos poupa de detalhes e nos presenteia com dezenas de histórias de assassinos e assassinas reais, além de diversos apêndices e tabelas.


A Enciclopédia dos Serial Killers (Michael Newton): literalmente uma enciclopédia, este livro serve para os fanáticos por serial killers que querem fazer consultas rápidas. São centenas de verbetes sobre assassinos e outras coisas relacionadas a investigação criminal.


Serial Killer, anatomia do mal (Harold Schechter): Um ótimo livro para quem quer se aprofundar na teoria e estudo de serial killers e não apenas suas biografias.


Killer Clown: retrato de um assassino (Terry Sullivan); li em inglês, mas logo depois este livro foi publicado pela Darkside Books no Brasil. Ele conta a história da investigação para pegar um dos mais famosos assassinos em série dos EUA, o palhaço assassino John Wayne Gacy, coescrito pelo detetive do caso.


Mindhunter (John Douglas); confesso que esse livro pode ser arrastado às vezes, mas ele não precisa ser lido numa sentada só. O que Mindhunter tem de mais precioso é ter sido escrito por uma das maiores autoridades no assunto e ter muita informação de confiança para interessados no assunto.


Serial Killer, made in Brasil (Ilana Casoy): Numa pegada muito mais investigativa e pessoal do que seu livro de estreia, Louco ou Cruel, o maior trunfo de Made in Brazil são as entrevistas da escritora e profiler Ilana Casoy com serial killers reais. Ela se envolveu muito neste livro, uma empreitada que merece o respeito de qualquer interessado no assunto.


The Dating Game Killer (Stella Sands): Entendo que como a obra só existe em inglês, pode parecer meio sacanagem colocar ele na lista. Mas esse livro é uma referência para mim, de como escrever sobre um dos piores assassinos da história (Rodney Alcala), respeitando e humanizando suas vítimas. Se você lê em inglês, vale a pena procurar.




Ficção (thrillers, policial, suspense)


Gênese (Karin Slaughter); o terceiro livro da genial série Will Trent, Gênese é um thriller intenso que mostra um serial killer com um modus operandi de arrepiar qualquer leitor, e uma investigação que não para um segundo. Para conhecer a série inteira, leia este post.


O Colecionador (John Fowles). O Colecionador é meio que um clássico da literatura policial, e embora não seja sobre um serial killer, é sobre um psicopata que fica obcecado por uma jovem e decide sequestra-la. A narrativa, focando ora nele e ora nela, é imersiva e profunda, e o final é de partir corações.


Mãos secas com apenas duas folhas (Paula Febbe): o meu livro preferido da Paula, Mãos Secas é uma obra curta e afiadíssima, que mergulha na cabeça de um psicopata idoso esperando uma consulta médica. Ninguém sai ileso desse livro.


Bom dia, Veronica (Ilana Casoy e Raphael Montes): eu particularmente tenho alguns problemas com a personagem Verônica, mas é inegável que o livro é uma obra muito intensa sobre um assassino em série e o envolvimento de duas mulheres muito diferentes com ele. O melhor de tudo? É nacional.


Flores Partidas (Karin Slaughter): eu amo indicar esse livro por ser um domestic noir com um assassino em série, algo difícil de fazer. A escrita da Karin é direta, ácida e dinâmica, e o clímax desse livro é de fazer qualquer um suar.


Psicose (Robert Bloch): tão bom quanto o filme, Psicose tem um ritmo que não cede, e uma linguagem que torna o livro fácil de devorar. Como clássico, sempre sugiro a leitura.


O colecionador de ossos (Jeffrey Deaver): eu não gosto muito da construção dos personagens deste livro (nenhum deles, na verdade), mas a história tem uma ambientação escura e deprimente que sempre surte efeito nos leitores. É um dos mais famosos do gênero e merece ser conferido.



Curte thrillers de serial killers? Confira os meus, também:

Eu Vejo Kate vol. 1

Eu vejo kate vol. 2

Inferno no Ártico

Cartas no Corredor da Morte



0 visualização