No Brasil, existem ghostwriters (escritores fantasmas), sim. Como é um trabalho sigiloso por natureza, você nunca ouviu falar deles, embora provavelmente já tenha lido um livro escrito por um.

 

Se o ghostwriter não pode fornecer um currículo dos trabalhos feitos, como medir a confiabilidade de um profissional que alega fazer esse serviço?

Antes, vamos definir o termo:

O ghostwriter, ou escritor fantasma, é um escritor profissional (muitas vezes com formação em jornalismo ou letras, embora isso não seja necessário) que conhece bem o mercado editorial e trabalha com editoras e indivíduos em projetos de ghostwriting.

O que são esses projetos?

Um ghostwriter pode ser contratado para escrever uma biografia, um livro de memórias, autoajuda, um livro sobre a história de uma empresa, um time de futebol... Ele também pode ser contratado por uma pessoa, editora ou empresa. Às vezes, é a editora que escolhe e paga o ghostwriter, noutras, uma pessoa pode contratar o ghostwriter para escrever o livro e só depois procurar uma editora que o publique. Essa pessoa pode também escolher publicar por conta própria. 

Também existem ghostwriters que trabalham para empresas, fazendo posts de blog ou redes sociais em nome de algum empresário, médico ou outro profissional. Não é desse tipo de trabalho que estou falando neste artigo, que fique claro.

Os créditos:

O ghostwriter é o escritor daquela obra, enquanto a pessoa que teve a ideia para a obra e sobre quem a obra fala (um atleta, um YouTuber, um político...) é o autor daquela obra. O autor (ou editora contratante) pode até querer o nome do ghostwriter na capa, mas quase sempre, ele não fica com os créditos - faz parte do seu trabalho manter sigilo sobre o projeto, para sempre. Quando o autor deseja dar os créditos, eles geralmente aparecem abaixo do seu nome na capa:

Alícia Silveira (famosa)

e

Nome do ghostwriter

Segurança

O ghostwriter de confiança não parece desesperado por trabalhos porque tem um número limitadíssimo de projetos que pode pegar por ano - alguns só pegam um, outros no máximo três (lembrando que estamos falando de livros inteiros, não de posts publicitários ou trabalhos menores). Sendo assim, ele será cordial e irá tirar suas dúvidas, mas não será apelativo.

Cuidado com números bizarros

Na internet, há "ghostwriters" dizendo ter escrito mais de mil, dois mil livros. Um livro bom leva pelo menos alguns meses para ser escrito, embora, claro, há exceções. Agora imagina o quanto uma pessoa tem que produzir para escrever mais de mil livros que exigem pesquisa e entrevistas com o autor. Alguns dos melhores e mais conceituados escritores fantasmas no Brasil só têm 15, 20 livros publicados. Cuidado com números estranhos.

Valores

Como o trabalho de ghostwriter exige expertise, muita dedicação e tempo, o serviço nunca vai ser "barato". Valores praticados variam entre R$ 20 e 50 mil por um livro. Se um escritor fantasma está cobrando um valor muito, muito abaixo disso (por exemplo, R$ 5 mil), desconfie.

Prazo

O ghostwriter pode concordar com um prazo de poucos meses, mas a maioria vai exigir entre 5 e 12 meses para completar o seu livro.

Entrevistas

O ghostwriter sério vai querer marcar entrevistas presenciais com você. Devido a situações extremas (como pessoas que moram fora do país ou uma pandemia), não tem problema se as entrevistas forem virtuais, mas ele irá exigir algumas horas com você para pegar o seu jeito de se comunicar - verbal e não-verbal. 

Equipe

Um ghostwriter com experiência no mercado editorial com certeza conhecerá muitos profissionais que podem auxiliar no projeto. Você pode combinar, por contrato, que ele será responsável pela contratação de revisor, capista e diagramador, por exemplo, ou ele pode indicar esses profissionais para você, caso uma editora não esteja envolvida no processo. De qualquer forma, um escritor fantasma conhece muitos profissionais do mercado.

Ele fala pouco e sabe ouvir

Um bom escritor fantasma pode conversar um pouco sobre si para deixar você mais à vontade, mas o foco das entrevistas e do projeto é você. Ele sabe ouvir, lembra do que você falou, faz as perguntas certas, encontra os temas e sabe organizar os seus pensamentos e histórias na hora de escrever.

Contrato

No contrato, ele vai definir como e quando o pagamento será feito, a quantidade de páginas aproximada da obra, o tipo de obra, quantas entrevistas serão feitas, quando ele entregará as etapas da obra etc. Ao pedir explicações sobre os termos do contrato, um bom profissional saberá explicar de forma clara e sem enrolação.

Existe ghostwriter para livros de ficção?

Isso é um pouco "tabu" no mercado. É geralmente considerado uma coisa desonesta, mas acontece. É um pouco arriscado, pois um bom autor cobrará caro para escrever um livro inteiro com a ideia de outra pessoa, sem levar crédito por ele. 

Como posso me tornar um ghostwriter

De preferência, você deve ser um escritor experiente. Minha recomendação é que faça um curso com um profissional qualificado. Eu recomendo o curso que eu fiz, na LabPub, com a professora Nanete Neves.

Como posso contratar um ghostwriter?

Entre em contato comigo, espero poder te ajudar. Já é legal ter anotado:

  • O tipo de livro que você quer;

  • O motivo pelo qual quer "escrever" esse livro;

  • Perguntas e dúvidas sobre a produção e publicação da obra.

Contato: claudoooca@gmail.com