top of page

Como posso ganhar dinheiro com minha escrita?

Posso te contar um segredo? Quando falaram, milhares de vezes, que escritores no Brasil não ganham dinheiro, mentiram para você.


Há muitas formas de lucrar com sua habilidade de escrever. Neste artigo, vou focar numa prática altamente lucrativa e que transformou minha vida: ghostwriting de obras de não-ficção.


Formas de ganhar dinheiro com a escrita


Há muitas formas de viver de escrita no Brasil. Você pode publicar livros de maneira independente, em especial e-books, e lucrar com as vendas. Pode ser um copywriter, escrevendo anúncios com técnicas de persuasão, e pode ser um escritor de ficção, lucrando com royalties e a venda dos direitos de adaptação audiovisual da sua obra.


Como pode imaginar, viver BEM com a escrita, no entanto, é muito difícil. Raríssimos são os autores de ficção que conseguem vender o suficiente para ganhar mais de 4 mil por mês com suas obras. Já copywriting pode ser bem lucrativo, mas você precisa ser muito bom e lutar muito para conquistar seu espaço num verdadeiro mar de copywriters.


Primeiro passo para ganhar dinheiro escrevendo


Defina o que é viver bem, para você.


Algumas pessoas conseguem ser muito felizes com 2 mil reais mensais. Outras, em especial as que têm dependentes, talvez precisem de uma renda mensal de 9 mil para viverem confortavelmente. Outras pessoas desejam ter carros bons, viajar pelo mundo e terem vidas muito confortáveis, estabelecendo como meta mínima ganhar 15 mil reais por mês.


Obs: sim, neste artigo falo de dinheiro, sem vergonha. Se o dinheiro é um tabu para você, como espera ganhá-lo? Vire essa chave, hoje!


Só você pode definir quanto dinheiro te deixa feliz. Não há certo ou errado, mas é obvio que a maior parte das pessoas quer ganhar o máximo possível para investir em bens e atividades que lhe fazem bem. É muito difícil ter saúde mental e ser feliz quando você não tem como pagar suas contas!


Resumindo: para não se decepcionar, você precisa conseguir ter uma boa noção de quanto quer ganhar.


Segundo passo para ganhar dinheiro escrevendo


Saiba o que gosta de escrever, mas desafie-se


Eu nunca pensei em escrever livros de não ficção. Fiz uma boa carreira como autora de livros policiais e é esse tipo de escrita que sempre me deixou feliz. No entanto, percebi que não conseguiria pagar minhas contas e realizar meus sonhos com as royalties que ganhava como autora de thrillers, e para sobreviver, precisei dedicar 90% do meu tempo fazendo outros trabalhos: tradução, edição, leitura crítica, palestras, cursos de escrita... era exaustivo, e sobrava pouquíssimo tempo para de fato ESCREVER.


Quando comecei a trabalhar como ghost writer, percebi o quanto eu não explorava outras formas de escrever. Sempre acreditei não ter vocação para escrever biografias, livros empresariais e de autoajuda, e foi uma agradável surpresa perceber-me ao mesmo tempo insegura e curiosa. Os primeiros clientes ficaram deslumbrados com seus livros, e passei a adorar o trabalho.


Continuei estudando e desenvolvendo minhas técnicas de entrevistar os clientes, estruturar as obras, adotar o estilo específico de cada autor... e em pouco tempo estava sendo contratada por editoras e empresas, podendo cobrar cada vez mais pelos serviços de ghost writer.


Entenda o que gosta de escrever e aprenda a desenvolver sua escrita para além do seu nicho atual. Enxergue-a como arte, mas também como uma técnica flexível.


Terceiro passo para ganhar dinheiro escrevendo


Estude!


Você não será capaz de escrever boas biografias se nunca lê biografias. Da mesma forma, não conseguirá escrever um livro de autoajuda sem nunca ter lido um deles. Não existe melhor conselho do que: LEIA DE TUDO.


Só que apenas LER não basta. Quando pegar um livro de autoajuda (sempre foque nos bestsellers), estude a obra: qual é o tom usado pelo autor? Ele é cômico, despojado, sério, formal? Por que ele escolheu esse tom para escrever essa obra para esse público-alvo? Como o autor estruturou a obra? Ele escolheu temas, escreveu em ordem cronológica ou seguiu algum outro tipo de organização?


Quanto mais livros, melhor. Tome notas sobre estrutura, quantidade de capítulos, tom de voz, temas, organização, quantidade de páginas, tudo, tudo. Você enxergará padrões e terá uma verdadeira compilação de abordagens diferentes.


Leia as avaliações de leitores para mapear as reclamações mais frequentes, assim como os elogios mais recorrentes. Ou seja: o que o leitor QUER quando lê aquele tipo específico de obra?


Quarto passo para ganhar dinheiro escrevendo


Saiba se vender


Como vão contratar você como ghost writer se não souberem que você é um ghost writer?


Minha primeira cliente como ghost nem desconfiava que era minha primeira cliente. Ela chegou a mim por meio de uma amiga em comum. Essa amiga me viu falando sobre ghost writing no meu Instagram e quando surgiu uma conversa em que essa cliente dizia que queria muito escrever um livro sobre sua vida, mas precisava de ajuda, minha amiga me recomendou.


Claro, eu me anunciava como ghost writer porque havia feito um curso de ghostwriting, mas ainda não tinha clientes. Com o conhecimento que eu já tinha adquirido - tanto no curso quanto na vida, tendo lido biografias por décadas, conseguiu dar informações sobre o processo e tranquilizar a cliente, fechando o contrato.


Durante o processo, tive dificuldades, estudei, me dediquei muito para entender os desejos da cliente, imitar o tom dela ao escrever em primeira pessoa e criar um livro que a deixou feliz. Foi a primeira vez em 10 anos como autora (premiada, reconhecida) que ganhei R$ 28.000 com um livro. E era só o começo.


Nos dois anos que seguiram, apareceram outros projetos, pelos quais passei a cobrar mais caro. Hoje, não fecho um projeto por menos de R$ 36.000. Dependendo do tamanho e complexidade da obra, chego a cobrar R$ 45.000. Cada vez recebo mais solicitações de orçamento e fecho mais contratos. Minha professora de ghostwriting me disse que o normal é pegar um projeto por ano. Estou começando o meu décimo livro em menos de 3 anos que terminei o curso.


Como consegui escrever tanto, em tão pouco tempo?


Como eu tenho minha própria editora, sou mentora de 26 autores, gerencio meu curso de escrita e tenho 3 filhos, para dar conta da demanda de ghost, precisei aprender a administrar meu tempo. Ensinarei como no meu curso em fevereiro de 2024.


E aí, o que aconteceu?


Minha reputação como ghost foi crescendo e essa profissão se tornou responsável pela maior parte da minha renda. Continuo escrevendo meus livros de ficção porque essa é minha paixão, e ainda trabalho como mentora de autores e editora, por serem trabalhos que me encantam. Ghostwriting, no entanto, consegue me sustentar tranquilamente.


Quinto e último passo para ganhar dinheiro escrevendo


Torne-se um ghost writer!


Se você escreve bem e quer poder viver unicamente de escrita, inscreva-se no meu mailing. Em fevereiro de 2024, abrirei vagas para meu curso de ghostwriting. Nele, vou ensinar:


  • Os fundamentos de ghost writing;

  • Como divulgar-se como ghost writer, respeitando a confidencialidade dos clientes;

  • Como fazer orçamentos e elaborar contratos;

  • Como usar ferramentas para ajudá-lo a estruturar obras;

  • Técnicas para entrevistar o cliente;

  • Como apresentar seu trabalho ao cliente, elaborar amostras e acatar sugestões;

  • Gerenciamento do tempo para escrever mais livros e lucrar mais;

  • Tipos diferentes de livros que você escreverá;

  • Como estudar para um projeto atual e entregar um ótimo livro;

  • Como lidar com clientes difíceis;

  • Deixando a vaidade de lado para trabalhar bem como ghost writer.

Em breve, os membros do mailing receberão mais informações sobre o curso e terão condições de pagamento especiais e exclusivas.






52 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page