top of page

A Inteligência Artificial substituirá o ghostwriter?

4 motivos pelos quais a IA não substituirá o ghostwriter por muito tempo


Para uma ghostwriter profissional, a pergunta chega a surpreender. Ora, no nosso dia a dia, praticamente tudo o que fazemos é impossível de ser feito pela IA (pelo menos a IA de hoje). Então por que essa dúvida anda pairando acima de nós como uma nuvem carregada?


Muitas das pessoas que alegam que a IA substituirá o ghostwriter não são ghostwriters, simples assim. Elas não entendem a dinâmica ghost - autor, e muitas nunca nem escreveram um livro, então diminuem a complexidade desse trabalho ao compará-lo com ferramentas puramente mecânicas.


Acredito que o IA pode chegar a um nível de refinamento que o permita, um dia, simular o trabalho de um ghostwriter. Mas também acredito que levará pelo menos uma década para isso acontecer e mesmo quando acontecer, a maior parte dos clientes ainda assim vão preferir um ghostwriter humano.


4 motivos pelos quais a IA não substituirá o ghostwriter por muito tempo (ou até mesmo nunca)


Tratando-se de um assunto complexo, vou tentar resumir meus principais argumentos para essa resposta, baseado na minha experiência escrevendo mais de 10 livros escritos como ghostwriter (e dezenas de outros como autora de ficção).


1- Os clientes contratam escritores profissionais porque querem sensibilidade humana e estilo.


Os clientes de ghostwriting são em sua maior parte muito ricos. Eles querem livros personalizados, com a voz deles, e que toquem profundamente seus leitores. Pode-se dizer que o ghostwriting é a alta costura da literatura, feita sob medida para cada cliente.


O IA ainda tem uma linguagem super pasteurizada, padrão e óbvia. Praticamente tudo o que ele estrutura é nos moldes da jornada do herói. Ele ainda não tem linguagem e estilo literário de verdade. Para conseguir escrever um livro com a voz do cliente, surpreender na escolha de palavras e numa estrutura imprevisível, transmitindo a delicadeza nas histórias mais comoventes daquele ser humano, ele ainda tem que comer muito arroz com feijão.


2- Os clientes de ghost querem lidar com humanos.


Eles querem contar sua história para alguém capaz de compreendê-la e se emocionar com ela. As entrevistas quase sempre termimam em choro, confissões e às vezes até catarse. Já perdi as contas de quantos homens crescidos e bem-sucedidos já vi se desmancharem em lágrimas nas entrevistas.


Contar sua história para um ser humano que vai sentir empatia por ela e depois imortalizá-la numa obra literária é o fundamento da relação cliente/autor - ghostwriter. Os clientes não vão ter essa experiência dando comandos para uma máquina.


3- A IA não tem imaginação. Simples assim. Tudo o que ela produz vem de um banco de dados, que por maior que seja, é apenas uma colagem do que foi feito antes, mesmo que seguindo uma lógica.


Em cada trabalho de ghost, eu tive insights criativos que mudaram a cara inteira do projeto. Eles aconteceram ao trocar experiências humanas com o cliente e sentir, pelo olhar dele, que havia algo mais ali, uma dor ou história não contada.


Ao fazer as perguntas certas, o cliente se abriu.


Os melhores trechos, as mais inovadoras formas de organizar o livro, as frases mais impactantes, todas nasceram dessa sensibilidade. O IA NUNCA terá essa sensibilidade, porque ele pensa, mas não sente.


4- O cliente de ghost quer sempre o melhor profissional.


Se o único motivo para recorrer a uma máquina seria custos, isso não faz o menor sentido. Um projeto de ghost paga bem, mas para 80% dos clientes que contratam um ghostwriter, esse valor é risível.


São empresários, empreendedoras, YouTubers, atletas, empresas e celebridades. Elas nunca trocariam a experiência de ter um escritor profissional escrevendo seu livro, por uma máquina, para economizar um dinheiro que para eles não é grande coisa.


Pelo contrário, a mentalidade do cliente de ghost é contratar O MELHOR profissional naquilo que faz. Eles se consultam com os melhores nutricionistas, os melhores personal trainers, os melhores coaches de finanças... por que não fariam o mesmo na hora de deixar sua marca no mundo por meio de um livro?


Qualquer ghostwriter sabe o quanto um trabalho de ghost é baseado em sensibilidade, criatividade e humanidade.


Acreditem, o IA não substituirá isso tão cedo.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page